06 setembro 2006

Imperdoável...

Ontem cometi uma injustiça pela qual nunca me irei perdoar.


Andava eu acelerado com umas tretas para tratar (e que não consegui), quando num momento de fúria, porque uma amiga com quem tinha combinado entregar-lhe um cheque, não atendia o telefone, passou por mim um rapaz novo e pediu-me dinheiro, tendo eu respondido que não, instintivamente.

Ele seguiu em passo lento, dizendo numa voz de sofrimento que só queria comida... que eu podia ir comprar... que ele só tinha fome e não tinha dinheiro. Tinha bom ar, alto, forte, cabelo castanho claro; a pronuncia era um português esforçado... nitidamente vinha de um país de leste e estava a passar um mau bocado. Por momentos, e no meio do turbilhão de pensamentos sobre os meus assuntos, ainda pensei em dar-lhe dinheiro, mas lembrei-me que a única nota que tinha era de 20 euros e de imediato disse para mim: “nem pensar”.

Todo este quadro só me ocorreu depois de ele ter desaparecido da minha vista, altura em que fui atacado violentamente pelos remorsos... afinal o que são 20 euros para mim?... e o que seriam para ele!... Onde é que eu tenho a cabeça? Que raio de estupidez fui eu fazer? Eu não sou assim? Pois afinal sou... igual a todos os outros parvalhões que tal como eu ignoraram o suplício daquele homem... Hoje em dia comportamo-nos como animais furtivos e não como seres humanos; pelo menos os animais são mais honestos e entre eles não há "lobo mau com pele de cordeiro".

Não o consegui ver mais... nem sei se algum dia vou voltar a vê-lo para me tentar redimir. Só peço a tudo e todos que alguém o tenha ajudado; que não tenha passado fome e que tenha tido um local seguro para dormir...

É nestas alturas que tenho a certeza que Deus não existe e que o mundo é comandado por uma cambada de imbecis e mentecaptos. A natureza do ser humano foi desvirtuada e os valores mais básicos foram invertidos.

Não quero com isto desculpar-me... acredito que se queremos mudar o mundo, devemos começar por nos mudarmos a nós mesmos. Não há outra maneira...

Sérgio

P.S.: fotografia disponível em www.webshots.com

10 comentários:

welcome2marte disse...

Amigo,

tb me sinto assim muitas vezes... mesmo muitas...mas um principio básico leva-me a dizer que não, a estas dádivas de rua...infelizmente não conhecemos as pessoas que nos pedem nem a sua história isto leva-nos a pensar que estão a mentir, que são mandriões, ou viciados... e por isso a minha resposta também é um não (principalmente se só tiver 20 euros)...O facto de darmos dinheiro naquela altura não vai alterar a vida deles... e no entanto também não vai ajudar esta sociedade que cada vez tem mais pedintes e pessoas que levam a vida na boa nestas circunstâncias.
Acho que já vi tanta coisa por este mundo e sei de tantas histórias deste país que mesmo assim não alteram o meu ponto de vista... na próxima se queres ajudar não lhe dês o dinheiro, tem fome leva-o a uma confeitaria e da-lhe de comer...
Sabes que mais este é um bom tema para debate :)

beijo grd e não fiques assim, infelizmente vai haver uma próxima ...

CarpeDiemBeHappy disse...

Olá,

sabes já me aconteceu o mesmo a mim, ou seja, um dia depois de ter estacionado o carro para vir trabalhar, um rapaz com bom aspecto, veio na minha direcção e pediu-me dinheiro. Eu fiquei a olhar para ele, afinal não me parecia ter necessidades. Foi quando me disse que eu poderia ir com ele ao café, pois estava cheio de fome, não tinha dinheiro para comer. Fiz o que tu não fizeste, não fui com ele, mas dei-lhe o dinheiro. Tudo isto me fez pensar.

Embora tenha tido esta atitude, às vezes desconfio bastante de quem me pede dinheiro, e não acho a tua atitude incorrecta porque este mundo está cheio de pessoas abusadoras das pessoas de bom coração.Ainda ontem me contaram a história de uma pessoa que mora em condições bem confortáveis em Aveiro e vem para o Porto fazer-se de coitadinha, de desalojada, pedindo esmola. O que fazer depois de ouvir certas histórias?!!

Beijinhos

Karla disse...

É um sentimento dúbio. Se por um lado, queremos ajudar, por outro, somos abordados em cada esquina (falo de Lisboa) por pedintes que nos perseguem. Seria impossível ajudar todos. Dou comigo a baixar os olhos e apressar o passo. Longe da vista, longe do coração.

Trouble disse...

Uma psicologa que conheço que é daquelas almas inspiradoras de quem a conhece, é responsável há anos por uma instituição de recolha de meninos retirados a familias com problemas, disse-me uma vez, "não olhe os problemas dos outros pelos seus olhos, mas pelos deles..." - no caso em questão era uma mãe q eu começava a ter vontade de lhe gritar pq os filhos a idolatravam de tanto amor q lhe tinham e ela parecia nem merecer metade desse afecto...."mas um simples beijo dessa mãe corresponde ao esforço q por ex os seus pais fariam ao dar-lhe uma casa..."

Comecei a não dar dinheiro por opção minha, pq tinha q seguir um rumo e o meu foi de acreditar q quem realmente precisa não pede... ajuda as instituições, participo no Banco Alimentar, e ajudo com $ ou bens situações q pessoas da minha confiança conhecem em pleno...

O meu caminho é o de ajudar, mas n me envergonhar de dizer q a mim tb me custa ganhar o dinheiro, mtos dias apetecia-me simplesmente n trabalhar, por isso n me sinto constrangida pois o q tenho foi ganho à custa do meu suor, mas em tudo o q eu puder ajudar e que confie q realmente é um caso verdadeiro lá estou eu para dar o q tenho e n tenho!

nb: odeio q me digam q faço mal por n dar $ ao pobre q está na rua... cada um sabe de si, a unica coisa q n faço é virar as costas, olho sempre de frente quem me pede ajuda e de forma educada e terna tento dizer q simplesmente n lhes posso oferecer nada

BJS Carmo, tu dás mto no dia a dia... antes de darmos a quem n conhecemos, temos de ter a certeza q ajudamos quem está perto de nós, n apenas em géneros, mas principalmente em afectos e com um ombro amigo!

CARMO disse...

Puxa Raquel... até corei!
Acima de tudo obrigado, quer pelas tuas palavras, quer pelo alento que diariamente me dás, especialmente quando não acordo no meu melhor.
Beijinho GRANDE!

Anónimo disse...

Nunca ouviste dizer:"Se tem fome,não lhe dês o peixe...dá.lhe a cana e ensina.o a pescar!!"Os 20€ não iriam resolver o problema dele p sempre...apenas remediar...
Eu nunca dou dinheiro...qd mo pedem,pergunto se tem fome...se me responder afirmativamente,levo.o ao tasco mais próximo e come o q quiser, até q fique saciado...estavas num dia menos bom,mas sabes q mais??Errar é humano...e tu és humano!!!E um ser humano cheio de qualidades...não te sintas culpado pq deste uma má resposta...não é isso q vai fazer de ti pior pessoa...
Correndo o risco de me tornar repetitiva...fico.me por aqui...
Obrigada por existires...
Cristina

CARMO disse...

Mas está tudo louco! Um gajo mete a para na poça à grande e ainda é elogiado!? Vocês deviam era mandar-me abaixo de Braga...

Obrigado Cristina! És sempre uma amigona!

Beijinhos

O Puto disse...

Aconteceu-me um episódio semelhante há tempos. Íamos de carro pela Av. Boavista, quando parámos num semáforo. Apareceu um velhote com um ar esfomeado que pedia algum dinheiro para comer na bomba de gasolina ali perto. Como estava no meio da rua, não pude parar para lhe oferecer de comer, bem como só tinha uma nota de 5 euros. Segui caminho mas fui a maturar, cada vez mais revoltado com as injustiças deste mundo. Dissemos ao mesmo tempo para dar meia volta. Demos os 5 euros ao homem, que correu à bomba mais próxima para matar a sua fome. Sei que é uma gota no oceano, mas até numa gota há plancton fervilhante de vida. Só não ajudo se não puder.

amazing disse...

Infelizmente nesta sociedade em que vivemos, muita gente se aproveita de outros.
O que quero dizer é que paga o justo pelo pecador.
Já pensaste se podia ser verdade ou mentira?
Sinceramente já não acredito muito nestas coisas.
É como as ditas associações que nem vou falar, porque sei de tanta coisa que se me pusesse aqui a falar, nunca mais daqui saía.

Sol disse...

O sentido de culpa faz com que cada passo futuro possa ser mudado. No teu desabafo as palavras são sentidas...
É complicado inverter os papeis, olhar em volta e ninguém dar a mão, mas tens sempre forma de te sentir um pouco melhor se olhares em volta e deres a mão... E pelo que li de certeza que o fazes...

Beijinho