12 outubro 2006

Brigada de Trânsito da GNR.

Numa altura em que se fala da possibilidade de extinguir a Brigada de Trânsito e a Brigada Fiscal da GNR, fui confrontado na 2.ª feira, quando parei na área de serviço de Leiria na A1, com 8 veículos da BT lá parados.

Photobucket - Video and Image Hosting

Sobre a extinção, não é de esperar nada de especial... nada mudará. Se for extinta, aparecerá outra força policial exactamente igual, mas com outro nome. O efeito será o mesmo, tal como os custos de manutenção; será mais um desperdício de fundos públicos para transferir toda a estrutura para um outro nome (mudança de instalações, pintura dos veículos, alteração do timbre de todos os documentos, etc.).

Voltando ao assunto inicial, na 2.ª feira passada, vinha eu de Lisboa para o Porto pela A1. Fiz a viagem entre as 3 e as 6 da tarde. Estava calor e como tínhamos almoçado tarde, deu o sono ao Nuno. Decidimos parar em Leiria para um café e tal foi o nosso espanto quando vimos parados na área de serviço, nada mais, nada menos, que oito automóveis da BT. De facto, já tínhamos passado por um, que estava encostado na berma da AE sem as luzes de aviso ligadas. É que a lei é só para alguns, e quem mais tem de dar o exemplo, é que mais prevarica... em frente. Estavam também 3 automobilistas a serem multados, e entretanto, chegou mais um devidamente acompanhado pelo carro da BT.

Photobucket - Video and Image Hosting

É perfeitamente desastrosa a forma como os dinheiros públicos são gastos naquilo que não interessa para nada. Fiz a viagem a uma velocidade aproximada de 150 kms/h. Passaram de facto alguns automóveis por mim mais depressa (alguns estavam a ser multados), mas não puseram nada nem ninguém em perigo; trata-se de uma boa AE com 3 faixas na maioria do percurso até Leiria; e especialmente, não havia ninguém na estrada. Um carro de longe a longe! Lembro-me sim, de ter passado por um camião, cujo escape lateral deitava tanto fumo que impedia ver a continuidade da via; além de largar areia e pequenas pedras, que sujam a estrada (tornando-a bastante perigosa aquando da queda das primeiras gotas de chuva) e estalam a pintura e vidros dos outros automóveis. A esta situação, que de facto põe em risco os utentes da estrada, os senhores da BT nada fizeram (pois voltei a passar pelo referido camião, depois de ter tomado café).

Se por um lado, a caça à multa é ordenada por patentes superiores e em nada os soldados da BT podem ser responsabilizados, todos têm 2 olhos na cara para verem o que eu vi e actuarem de acordo com a lei. Ou à regras de trânsito mais importantes que outras? É inadmissível o que acontece nas AEs, em que se descura a segurança dos utentes, para garantir receita fiscal. Mais ridículo ainda por parte da BT é a utilização massiva destes meios numa AE, quando o país tem tantas estradas perigosas e “pontos negros”, cuja intervenção da BT evitaria inúmeros acidentes. Ainda por cima, esta instituição queixa-se constantemente da falta de meios... para que?! É a distorção total da função de uma força policial cuja missão é garantir a segurança dos automobilistas; além do desvio de fundos dos contribuintes que deveriam ser utilizados em benefício de todos e não unicamente da instituição que os recebe.

Photobucket - Video and Image Hosting

Relembro que a gestão do dinheiro dos contribuintes pelo Governo, tem por objectivo redistribuir a riqueza com vista a um maior bem-estar social. Gostaria que me explicassem em que termos é que a caça à multa (em qualquer cenário) e a perseguição ao cumprimento hipócrita dos limites de velocidade (que nem os próprios agentes da BT cumprem), contribui para o fim em causa.

Sérgio

P.S.: as fotografias da BT estão disponíveis na internet; não fui eu que as tirei!

13 comentários:

amazing disse...

Excelente!
Atento, hein?

PortoSmiling disse...

Continuo com alguma sorte apesar de tudo...Ontem fiz Lisboa-Porto à noite em 2horas...mas soube entretanto que há um carro disfarçado que à noite consegue captar a velocidade com câmara...sei que é preto mas não sei qual a marca ...mas lá no fundo, e eu que faço estas viagens 2 e 3 vezes por semana, é um entretimento interessante para não adormecer vir à procura dos carros disfarçados, dos carros identificados, dos radares nas pontes, baixar para os 150/140km a velocidade quando um carro se aproxima, voltar a aumentar para os 160km e... quando se afasta...nunca nos dá o sono...é a forma que a BT arranjou de os condutores não adormecerem nas estradas....

Trouble disse...

E sorte a tua que no teu país podes tirar fotos a essa Brigada...:)
nota: na Tunisia eu, Mike e Serafa quase q íamos de cana por esse mesmo motivo...(e tb por fotografar a casa de um presidente, mas mesmo sem saber de quem era a casa...)
E ESTA HEM?!
(afinal quem era a doce donzela da foto????:))

CarpeDiemBeHappy disse...

Bem.......deverias ter sido MULTADO!!eheheh

As regras se existem são para cumprir, independentemente de colocar-mos ou não os outros em perigo....e contra mim falo.

Concordo, a forma como eles actuam e para onde vai o dinheiro das multas não são das melhores...infelizmente vêjo muitos habilidosos na AE...pena que eles não estejam no local certo na hora certa!

Beijinhos

Blogmaster disse...

Os limites de velocidade são sempre o BODE-espiatório dos bodes que por aí andam.
Não interessa própriamente qual foi a causa do acidente... desde que haja marcas de travagem ou que o imbate tenha sido violento, a causa formal do acidente é sempre o "excesso de velocidade".

Na prática as auto-estradas são as estradas mais seguras do país, sendo na sua maioria de boa qualidade, e continua a ser o local onde mais multas se passam e onde maior número de "bodes" por cm/2 se encontram.

Se estes estivessem nos tais pontos negros, ou a averiguar as verdadeiras sitauções perigosas nas viaturas e a reportar estradas perigosas e outros factores de perigo aos condutores, poupariam-se imensas vidas.

Lembro-me sempre daquela viatura da BT que parou do lado esquerdo da A28, para ajudar uma senhora a mudar o pneu, numa zona de pouca visibilidade e que acabou por levar literamente com um carro em cima.

Anónimo disse...

De facto é um erro craso em extingir a nossa famosa Brigada de Trânsito, que de muito prestigio tém dado a instituição em que está inserida" GNR" bem como ao país em geral. Como é do conhecimento de todos nós a mesma não existe só para autuar os prevaricador das nossas estrada, mas sim como no apoio diario a centenas e centenas de automobilista que circulavam na nossa estrada as várias instituições com quem a BT trabalham diariamento " BRISA, Concessionárias das vias sem portagem da EP Estradas de Portugal etc. etc. bem como das centenas de transportes de orgãos humanos que diariamente são transportados pelos agentes da BT para todo o país e que os fazem sentir-se realizados nesse serviço.Pois nesses transportes está sempre a causa a vida humana. Por este e outros casos é centenas e centenas de automobilistas só têm a dizer bem da nossa Brigada de Tânsito. De facto existem outros que gostam de passar por agentes de Brigada de Tânsito , mas falta-lhes muito trabalho para conseguirem esse objectivo.Muito honestamente acho que a nivel de segurança das estradas vamos ficar muito mal, com o desaparecimento da nossa BRIGADA DE TRÂNSITO.
Um abraço sincero a todos os agentes da Brigada de Trânsito

Anónimo disse...

È de lamentar a falta de conhecimento de algumas pessoas que nada mais sabem fazer do que criticar.Caso não estejam informados a maior causa de morte em Portugal deve-se a acidentes rodoviários, e não venham cá com a desculpa que é do pavimento, porque como assim disseram a AE é uma boa estrada,mas os acidentes acontecem todos os dias e de quem é a culpa??? Dos agentes da BT??? Por acaso são eles que vão a conduzir os vossos carros???Hummmm???Por favor tenham modos na estrada e deixem de culpar os outros pelos vossos actos irresponsáveis.Vocês gostariam que não houvessem radares para andarem à velocidade que vos apetecesse, e assim ceifarem umas quantas vidas na estrada.Vejam o caso do camionista em que matou aquela familia de quatro pessoas,NUM ACIDENTE, ficou detido e foi julgado,em Portugal andava por aí a passear...e ainda se queixam...sinceramente.
Ah...vejam o Código da Estrada antes de falarem sobre o que os agentes podem ou não fazer.
Lamento que pensem dessa forma.Primeiro inteirem-se da missão da BT e depois falem se ainda acharem que têm razão.
Sem mais....
Jacinto Morais - Jurista da PR

CARMO disse...

Caro Jacinto Morais, digno Jurista da PR.

Muito me honra o seu comentário por estes lados...

No entanto, não podia estar mais em desacordo... Para começar, a crítica não é feita à actuação dos soldados da GNR enquanto pessoas, mas sim, à imbecilidade de quem estipula as formas de actuação.

Caro amigo, o que eu não aceito são soluções fáceis em vez de eficazes e justas.

Quanto aos limites de velocidade, não será de estranhar que nos países onde estes existem com fiscalização mais apertada, serem os mesmos países com maior número de acidentes rodoviários? Se calhar há algo por explicar nesta dicotomia de causa/consequência... e por favor, não me venha falar em casos isolados do camionista e do motociclista X e Y... A excepção não faz a regra.

Peço-lhe que se informe um bocadinho mais sobre este assunto (estudos, imprensa especializada e estatísticas e não notícias de jornal e telejornais).

Atenciosamente,

Sérgio Carmo

Anónimo disse...

Sr.Sergio Carmo.

Não falo por si, mas por 80% dos aceleras que andam a circular na estrada.
Certamente o que muitas pessoas quereriam era um limite de velocidade para cada marca ou modelo de veiculo, porque acham que têm um topo de gama da Mercedez o limite máximo de velocidade deveria abranger uma quilometragem mais alta, como citou o Sr. Presidente da associação das escolas de condução numa entrevista a um canal televisivo, e Sr. Carmo informe-se o sr. melhor, porque Portugal está no ranking dos países com mais mortes na estrada. Falo com conhecimento de causa e posso documentar-lhe e ser o mais preciso possivel sobre estatisticas.
E respeitante ao exemplo que lhe dei sobre o camionista não estava a referir-me especificamente a uma pessoa ou às mortes que voluntariamente ou involuntariamente causou, mas sim à rigidez da lei e à grande diferença entre a nossa legislação e a dos outros países.Sr. Carmo dê uma vista de olhos nas estatisticas referentes à época natalicia em que vamos entrar e em janeiro falaremos sobre as principais causas dos acidentes rodoviários nesta época.

Quais são as providencias ou as formas de actuação a tomar pelos agentes de transito,capazes de baixar a sinistralidade????Por favor não me diga para tirarem os radares da rua.
Caro Sr. Desejo-lhe um feliz natal juntamente com a sua familia.

Respeitosos cumprimentos,

J.Morais - P. Rodoviaria

CARMO disse...

Caro J. Morais,

Mais uma vez agradeço o seu comentário.

Desde já lamento que se cinja a estatisticas cuja única causa de acidentes são o "excesso de velocidade"... essas são as estatísticas que temos e que não servem para avaliar nada... nascem mal feitas.
Estude o Caro Amigo, as estatísticas de sinistralidade e estudos de outros países mais desenvolvidos e não a tacanhacide de quem acha que se andarmos todos a 20 kms/h não havia acidentes (como em França). E mesmo que isso fosse verdade, seria inconcebível. Não olhe a soluções fáceis, mas vinque nas eficazes e nas exigências do dia a dia do séc.XXI e dos níveis de segurança dos automóveis do sec.XXI. A verdade é que é utópico pensar que alguem, hoje em dia, guie devagar. É de lamentar sim, que num mundo onde tudo evolui, o sistema de leccionamento e avaliação de quem pretende ter carta de condução, evolua tão pouco, e que as pessoas continuem a não estar preparadas para conduzir de forma técnicamente correcta (porque se formos falar de ética, nunca mais saímos daqui!). Lamento que ninguém seja preparado para reagir a um aquaplaning, sobre ou sub-viragem; ninguém saiba o que são trajectórias ou técnicas de travagem e equilibrio dinâmico... excepto os que gostam de "pilotar" e que as aprendem fora das estradas em cursos próprios. Actualmente, um utilitário como um FIAT PUNTO tem níveis de segurança capazes de envergonhar um ROLLS ROYCE dos anos 80. Agora explique-me porque devo respeitar limites de velocidade dos anos 70, se até as estradas não incomparavelmente melhores (compare por favor a nacional 1 dos anos 80 onde se podia circular a 120kms/h em algumas secções, com a actual A17, A10, A6...).
É claro que não falo por mim... nunca respeitei os limites de velocidade e nunca tive um único acidente; por curioso que seja, as únicas vezes que sofri toques ligeiros, ia nitidamente abaixo dos limites de velocidade. Não confundir limite de velocidade legal, com excesso de velocidade.
Ouviu no outro dia o "prós e contras"?! Gostei de ver, pela primeira vez, em plena televisão, 4 respeitáveis cidadãos a esmagarem um jornalista que gostaria de mais uma vez ter causado sensionalismo com o tema na velocidade na estrada. Ali ficou bem afirmado e justificado que velocidade e perigo não são palavras do mesmo texto.
Sou um dos defensores do trabalho da BT e dos radares, desde que instalados em locais onde a velocidade deve ser moderada por questões de segurança, e desde que bem visíveis; ou seja, como forma de prevenção e não de coacção. Radares na moita revelam a falta de ética e moral de outros agentes da BT, incapazes de se fazerem respeitar senão pela força da multa. Aliás, se velocidade significasse acidente, os agentes da BT já tinham morrido todos! Felizmente, os factos demonstram o contrário.
Claro que não concordo com limites de velocidade específicos para determinados modelos; embora a segurança dinâmica possa ser mensurada e pudesse ser feito um escalonamento de velocidades permitidas. No entanto, iríamos ter muitas surpresas... os pequenos desportivos têm níveis de segurança dinâmica superiores a muitos topos de gama. Já tinha pensado nisto?!

Volte sempre a este espaço. Afinal, se todos pensassemos da mesma forma, o mundo não evoluiria. O debate de ideias adversas é sempre enaltecedor.

Por último, despeço desejando-lhe um Bom Natal e um Feliz Ano Novo, para si e para todos os que lhe são próximos.

Anónimo disse...

sim e verdade infelizmente alguns agentes no nosso país nao dao o exemplo,pois eu varias vezes ja me confrontei na auto estrada a circular a volta de 130kmh principalmente na A23 e muitas dessas vezes passa por mim um mitsubishi EVO9 da bt largamente ultrapassando esse limites parecendo que andam ali salvo a expressao gozando com os utentes da via ora eu questiono me ora se nos ultrapassando esse limites metemos a nossa vida como a de treceiros em risco eles fazendo o mesmo ou pior estao sempre ilibados de qualquer situacao que venha acontecer.

Anónimo disse...

pois isso tb e verdade a falta de controle por alguma inspeccao que pudesse existir ja que no nosso pais existe de tudo desde que seja para prejudicar o cidadao comum porque e que nao existe qualquer entidade que tambem fizesse isso?eu por exemplo ja trabalhei na franca e a gendarmerie la anda com subarus e no caso de eles ultrapassarem esses limites sao automaticamente processados incurrendo ate em alguns casos com processos crime salvo erro se for numa excepção,velocidade urgencia etc ou seja todos os dias eles fazem um relatorio de dia infelizmente no nosso pais as autoridades brincam com todos os cidadao assim se ve o estado em que portugal esta.um abraco a tds e bons posts

Anónimo disse...

Extinção efectiva da BT em 01-01-2009...
vou só deixar aki uns numeros pra pensar um bocadinho....
desde janeiro de 2009 ate a data de hoje (15-09-09) 497 mortes na estrada....
em igual periodo do ano passado 348... pura coincidencia não acham???!!!! a BT levantou e em mt o pé do acelarador pk todos os militares q a representavam foram humilhados (mas isso é outra guerra) e vejam o descalabro meus senhores...
nós condutores de cultura portuguesa maior liberdade, não é sinonimo de maior responsabilidade infelizmente...
mt obrigado pela atenção