18 julho 2006

Syd Barrett (1946-2006).

Faleceu a 11/07/06, aos 60 anos um dos músicos mais mediáticos do rock dos anos 60, vitima de diabetes, doença que o acompanhava há muito.
Data curiosa, pois no dia anterior havia sido editado mundialmente o 1.º DVD dos Pink Floyd e que demonstra como a insanidade e a loucura, tão características de Syd Barrett, podem ser levadas a palco, de uma forma tão sonora quanto visualmente grandiosa e imponente, capaz de marcar para toda a vida qualquer um que tenha estado presente num desses grandiosos concertos, tal a intensidade dos momentos ali vividos (Alvalade 1994, impossível de esquecer, ainda hoje me arrepia a recordação). Muito honestamente, há muitas bandas que produzem excelentes espectáculos ao vivo... e depois há os Pink Floyd!

Photobucket - Video and Image Hosting

Syd Barrett, conhecido como membro fundador dos Pink Floyd, na verdade pouco contribuiu para a banda em termos práticos (1965-1968). Escreveu grande parte do 1.º álbum "The Piper at the Gates of Dawn" (1967) e de "A Saucerful of Secrets" (1968); abandonou a banda devido à sua instabilidade (doença) psíquica, provocada pelo consumo excessivo e continuado de drogas duras (LSD).
David Gilmour, amigo de escola de Syd, junta-se à banda como 2.º guitarrista. Inicialmente a sua função era cobrir o comportamento aluado de Syd Barrett, que durante os concertos se esquecia das músicas, tal era a sua instabilidade e fragilidade psíquica, associada ao consumo de estupefacientes; 3 anos depois do nascimento na banda, assume o lugar de Barrett.
Mas foi Syd Barrett que trouxe aos Pink Floyd a "veia" inspiradora e o som psicadélico que os viria a caracterizar: a influencia do jazz no rock, os blues e a tradução da loucura e dos turbilhões de ideias em termos musicais. A banda começou por tocar covers de blues e de rock; Syd trouxe a divagação pelo mundo do jazz e pelos sons estranhos para a altura: as dissonâncias, as distorções, os ecos e os feed-backs. Umas das características mais originais de Barrett era o som da sua Fender Esquire, quando a tocava em sliding usado um isqueiro Zippo em vez dos dedos, com o efeito de eco ligado. Os sons misteriosos, apocalípticos e quase extra-terrenos marcaram para sempre a banda.

Photobucket - Video and Image Hosting

O próprio nome foi ideia de Syd. A banda conheceu vários nomes: The Tea Set, The Abdabs, The Screaming Abdabs, e ainda, The Megadeaths; com a chegada de Barrett intitulou-se The Pink Floyd Sound e em 1967, definitivamente, Pink Floyd. O nome não tem qualquer significado ao contrário do que se pensa. Os blues também influenciaram a carreira do instável músico, tendo ele criado a designação a partir do nome de dois cantores de blues: Pink Anderson e Floyd Council.
Posteriormente participou em alguns trabalhos musicais, quer a solo, quer com músicos como David Bowie. Os seus dotes enquanto guitarrista e a fragilidade dos seus temas influenciou significativamente muitos músicos da época; hoje em dia seria rotulado de minimalista... A influência de Barrett é bem patente no movimento punk e no rock minimalista (mais actual); muitos músicos da grande nome reconhecem que Barrett os influenciou irreversivelmente. Esta influencia é bem patente em Roger Waters, na composição de temas como “Brain Damage” entre outros temas de “The Dark Side of the Moon”e “The Wall”. Mas não só; outros exemplos são: Paul McCartney, Pete Townshend (The Who), Jimmy Page (Led Zepplin), David Bowie e Eric Clapton.

Photobucket - Video and Image Hosting

Mais recentemente, uma enormidade de bandas de rock enalteceram a originalidade e criatividade de Syd, reconhecendo também a sua influência na própria música: Étienne Daho, This Mortal Coil, Marc Bolan, The Jesus and Mary Chain, Robert Smith (The Cure), Johnny Marr (The Smiths), Kevin Shields (My Bloody Valentine), Primal Scream, Voivod, The Libertines, Dirty Pretty Things, The Beta Band, Lone Pigeon, Julian Cope, Robyn Hitchcock, The Flaming Lips, R.E.M., Mercury Rev, Replicants (Tool; Failure), East Bay Ray (Dead Kennedys), Camper Van Beethoven, The Three O'Clock, Pearl Jam, Love and Rockets, Elevator To Hell, The Melvins, Transatlantic, Phish, Dream Theater, Graham Coxon (Blur), John Frusciante (Red Hot Chili Peppers), Eppo, Skobot Bzzzz, the Vinyl Skyway, Of Montreal, Placebo, R.E.M., Soundgarden, Smashing Pumpkins...
Syd Barrett foi reconhecido e homenageado por diversas vezes ao longo dos últimos 40 anos; apesar disso, a sua forma de ser “alheia” a tudo, manteve-o à distancia de tudo e de todos.
Depois da doença o obrigar a por termo à sua carreira musical, retomou o seu nome verdadeiro (Roger Keith Barrett) e foi viver para os arredores de Cambridge (na casa da sua mãe), onde passou o resto dos seus dias a pintar e a tratar do jardim. Continuou também a evitar os fãs e os jornalistas como sempre o fez. O seu ponto de contacto com o exterior era a sua irmã, que assegura a sua alimentação e cuidados médicos.

Os membros dos Pink Floyd asseguraram desde sempre o seu sustento financeiro, através do pagamento de royalties justificadas pela sua contribuição para a banda, e dedicaram-lhe inúmeros temas dos álbuns "The Dark Side of the Moon", "Wish you were here" (álbum dedicado a Barrett) e "The Wall". No filme “The Wall” Syd Barrett aparece em muitas imagens e contextos, tendo sido utilizadas imagens antigas.

Singles editados com os Pink Floyd:
- 1967: "Arnold Layne" / "Candy and a Currant Bun";
- 1967: "See Emily Play" / "The Scarecrow";
- 1967: "Apples and Oranges" / "Paint Box" (Rick Wright).

Álbums editados com os Pink Floyd:
- The Piper at the Gates of Dawn (5 August 1967);
- A Saucerful of Secrets (29 June 1968).

Compilações dos Pink Floyd com temas de Syd Barrett:
- Relics (14 May 1971);
- Masters of Rock (1974, Europe) (AKA The Best of the Pink Floyd);
- Works (1983);
- Tonite Let's All Make Love in London (1990, See For Miles Records, Ltd);
- Shine On (1992 box set);
- Echoes: The Best of Pink Floyd (5 November 2001).

Singles editados a solo:
- "Octopus"/"Golden Hair" (15 November 1969).

Álbums editados a solo:
- The Madcap Laughs - (3 January 1970);
- Barrett - (14 November 1970).

Álbums editados a solo, ao vivo:
- Peel Sessions (1 July, 1991): Recorded live on John Peel's BBC radio show with David Gilmour and Jerry Shirley backing. Contains the otherwise unseen "Two of a Kind";
- The Radio One Sessions (March, 2004): The álbum contains five songs of Peel Sessions and live versions of three songs.

Compilações editadas a solo:
- Syd Barrett (November 1974) US #163: The Madcap Laughs and Barrett packaged together;
- Opel - (17 October 1988);
- Crazy Diamond (April 1993): Boxed set with all three studio albums with bonus tracks;
- The Best of Syd Barrett: Wouldn't You Miss Me? (16 April 2001): Contains one previously unreleased track ("Bob Dylan Blues");
- Octopus: The Best of Syd Barrett (29 May 1992): Greatest hits álbum issued on the Cleopatra label.

Se quiserem saber mais, consultem http://en.wikipedia.org/wiki/Syd_Barrett.

"... how I wish, how I wish you were here..."

Sérgio

P.S.: Estou de ferias!

4 comentários:

CarpeDiemBeHappy disse...

Grande Post!!Espectacular!Adoro os Pink Floyd.....
Adoro a música "How I wish, how I wish you were here", mas também me faz chorar.
Boas férias:)
beijinhos

Anónimo disse...

Este blog enriquece.nos...definitivamente!!!!
Parabéns...
Boas férias,são bem merecidas...
Cristina

amazing disse...

Excelente post!
Muito bom mesmo!

O Puto disse...

Ainda ontem vi um videoclip dos Pink Floyd ("Arnold Layne", com Syd BarretT) no MTV2, na rubrica "120 Minutes", ontem dedicado a pioneiros.