31 dezembro 2008

2009, o Ano da Sereia!


2008 chega ao fim e fácil seria inúmerar o que correu mal e as desgraças, tragédias, a suposta crise... enfim! Felizmente, por muito mau que tenha sido o ano, só me lembro das coisas boas que nele vivi... e são essas que quero reter... afinal, somos aquilo que pensamos! E como o que ouvimos, influencia o que pensamos, não quero sequer ouvir a minha consciência a dizer inutilidades... Os outros é fácil calar, agora a nossa consciência pode ser mais delicado... requer treino!

Acreditar em nós próprios leva-nos até ao infinito. Por outro lado, acreditar que falhamos em determinado momento, implica terminar a nossa jornada. A característica mais notável de todos nós, pessoas de sucesso, é a de nunca, nunca, alimentarmos pensamentos de fracasso.

De cada vez que um ano se esgota e que outro aparece, pomos num prato da balança os 365 dias passados, e no outro, os 365 dias que nascem... e vemos para qual dos lados pende a balança. Não tenho dúvidas que neste acerto de contas, muitos são os que teimam em ter um passado pesado... E é claro que outros há também, com pratos que pendem ao contrário. 2009 não será um ano fácil, isso é certo; mas não mais difícil que os anteriores. Será um ano melhor e de mudança, e com esta virão certamente oportunidades e coisas boas, que colheremos mais à frente, se as soubermos semear e aproveitar. Por isso, para que tenhamos esperança fundada em prósperos anos vindouros, desejo a todos, desde já, um 2009 cheio de mudanças e felicidades.

Lembrem-se que o Pai Natal só vem uma vez por ano... mas nós estamos cá todos os dias! O melhor do ano não está na noite que Natal... mas em preparar o Natal ao longo do ano. A festa não é a da noite da passagem de ano, mas sim a forma como vivemos o ano inteiro... os 365 dias... esses é que são a verdadeira festa!

Não sou uma pessoa espiritual... as pessoas distinguem-se e valem pelo incorpóreo e invisível que têm dentro de si (e independentemente da embalagem exterior), mas quando morremos tudo se esvai... Por isso, há que aproveitar ao máximo todos os momentos que estamos vivos; é quase, viver como se não houvesse amanhã e fazer tudo o que podermos para que a vida não passe por nós, mas nós por ela. Há um peso que nunca vou carregar... e até já o carreguei no passado... o de me arrepender pelo que não fiz! Prefiro fazer tudo que está ao meu alcance... mesmo asneiras... Também não sou muito de olhar para trás, mas quando o faço, e mesmo percebendo o que poderia ter feito melhor (e é sempre muito!), dificilmente me arrependo... Por vezes arrependo-me da forma, mas o conteúdo inevitavelmente teria de ser aquele.

Não sendo espiritual, não sou fã de horóscopos... nem do zodíaco, nem do chinês... apesar de achar que este último faz bem mais sentido que o primeiro (mas gosto dos mapas astrais!). Por isso, e com base no pouco crédito que este me proporciona, decreto que 2009 seja o "Ano da Sereia"! Será um ano caracterizado por sucesso na vida profissional de todos os que são empreendedores, e de realização afectiva daqueles que acreditam nos sentimentos como forma de vida... daqueles que são capazes de tratar os outros como gostariam de ser tratados, e independentemente da quantidade de pontapés, rejeições e desconsiderações de que são alvo todos os dias.

Os últimos tempos têm sido de falta de inspiração por estes lados... Não sou de ferro... E algumas grandes contrariedades, quer profissionais, quer afectivas, acabam por me retirar capacidade criativa... por isso, os textos são substituídos por letras e músicas, onde me revejo. Mesmo o texto de hoje, está cheio de passagens que li algures... qualquer semelhança é pura realidade!

A música tem esse dom... de me fazer reviver momentos felizes, enaltecer sentimentos que privilegio. A combinação entre letras e sons, apregoa o contexto emocional que o nosso imaginário revê... só a letra, seria incapaz... até porque por mim não havia sido escrita.

Tudo isto combate o tal estado de desilusão ou fracasso com que tantas vezes sou confrontado... A solução não está em evitar esses estados, muito menos as situações que a estes conduzem; a solução está em revertê-los rapidamente, ou instantâneamente se possível. Sem medo... sempre sem medo! Somos sempre capazes de os reverter... se não fosse o medo a bloquear-nos, tal o faríamos quase inconscientemente... Mas por vezes complicamos e permitimos que o medo se apudere de nós... Se não fossemos tão racionais, agiríamos instintivamente: um rato decide sempre em sem favor... instântaneamente... instintivamente... nunca hesita entre continuar a viver ou desistir. Claro que as suas opções de vida são mais básicas... A solução está em agir racionalmente e pensar: se eu não tivesse medo, como reagiria? Rapidamente concluíremos que aquilo que receamos nunca é tão mau quanto nós estimávamos... rapidamente nos apercebemos que o medo que permitimos que se gere no nosso pensamento é muito mais nocivo do que a situação em si... É que o medo aumenta quando nada se faz... Mas ultrapassar um medo é uma sensação agradável... mostra-nos o que de melhor há dentro de nós!

Há frases que saiem das músicas e que expressam bem qual é a nossa direcção... querer revertê-lo é querer viver morto... A acreditem que isso se torna mais penoso do que morrer de vez! Afinal, todos diferentes, mas no fundo, todos iguais...

Como cantavam Jennifer Warnes e Joe Cocker nos "ridículos" anos 80 "...love lifts us up to where we belong..."... é ridículo contrariar isto... afinal, o amor não é o queremos sentir, mas o que sentimos sem querer!

Há uns dias atrás recebi um email com esta mensagem (obrigado Paula!).

"Rios de amor para os meus amigos... Feliz ano novo para todos!

Dentro de alguns dias, um Ano Novo vai chegar a esta estação. Se não puderes ser o maquinista, sê o seu mais divertido dos passageiros. Procura um lugar próximo à janela, desfruta cada uma das paisagens que o tempo te oferecer, com o prazer de quem realiza a primeira viagem. Não te assustes com os abismos, nem com as curvas que não te deixam ver os caminhos que estão por vir. Procura desfrutar a viagem da vida, observando cada arbusto, cada riacho, os beirais de estrada e os tons mutantes de paisagem. Desdobra o mapa e planeia roteiros. Presta atenção a cada ponto de paragem e fica atento ao apito da partida. E quando decidires descer na estação onde a esperança te acenou, não hesites... Aventura-te e desembarca nela os seus sonhos...

Desejo que a tua viagem pelos dias do próximo ano, seja de PRIMEIRA CLASSE!"

Nem por coincidência, a ANTENA3 passava "Quando eu te falei amor" do André Sardet, onde se pode ler/ouvir:

"...Quando eu te falei em amor
Nós sentimos os dois
Que o amanhã vem depois
E não no fim..."

Entrei num sonho por entre centenas de músicas que me vieram à mente... E o fundamento base das letras é sempre o mesmo (e não precisam de ser lamechas ou melodramáticas! eheheh!).

Se meio distraído estava... de um momento para o outro, tudo o que lêmos, ouvimos, dizemos está interligado... o fundamento é sempre o mesmo... Todo o ser humano gosta e precisa de ser reconhecido e as necessidades afectivas são as prioritárias. São estas que são capazes de gerar maior quantidade de adrenalina e desencadear todos os que são os nossos maiores feitos. Portanto, vamos contrariar o quê?! Tapar o sol com a peneira e armarmo-nos em independentes e altruístas para quê?! Enganarmo-nos a nós próprios, mesmo que consigamos enganar os outros, porquê?!

Esta viagem pelo meu imaginário terminou interrompida novamente pela ANTENA3, desta vez com o Pedro Abrunhosa e "Quem me leva os meus fantasmas?":

"Aquele era o tempo
Em que as mãos se fechavam
E nas noites brilhantes as palavras voavam,
Eu via que o céu me nascia dos dedos
E a Ursa Maior eram ferros acesos.
Marinheiros perdidos em portos distantes,
Em bares escondidos,
Em sonhos gigantes.
E a cidade vazia,
Da cor do asfalto,
E alguém me pedia que cantasse mais alto.

Quem me leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?

Aquele era o tempo
Em que as sombras se abriam,
Em que homens negavam
O que outros erguiam.
E eu bebia da vida em goles pequenos,
Tropeçava no riso, abraçava venenos.
De costas voltadas não se vê o futuro
Nem o rumo da bala
Nem a falha no muro.
E alguém me gritava
Com voz de profeta
Que o caminho se faz
Entre o alvo e a seta.

Quem leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?

De que serve ter o mapa
Se o fim está traçado,
De que serve a terra à vista
Se o barco está parado,
De que serve ter a chave
Se a porta está aberta,
De que servem as palavras
Se a casa está deserta?

Quem me leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?"

Bem... acho que já chega de devaneio... já escrevi hoje pelo mês inteiro (ehehe! rimou!). Tenho consciência que não tenho os parafusos todos bem apertados (pelo menos, a minha mãe todos os dias faz questão de mo lembrar...), portanto, não liguem muito a tudo isto, mas sejam felizes, porque assim eu também serei um bocadinho mais!

Despeço-me com a seguinte mensagem, que é realmente o que vos desejo a todos em 2009 (também esta plagiada... Obrigada CristinaXX!):

"...nesta época belíssima, toda a gente deseja paz, saúde, amor, blá, blá, blá... uma porrada de farsas e discursos! O que eu te desejo de todo o coração é que tenhas relações sexuais incriveis, orgasmos bombásticos, muito sexo inesquecível! Que trabalhes metade e ganhes o triplo deste ano! 1000 noites de prazer e festas de arromba com os amigos! Que te saia o euromilhões, que faças férias fabulásticas, compres uma super mansão nova, troques o teu bólide por um Ferrari, troques a tua moto por outra ainda melhor! Que explodas de alegria em 2009! Feliz Ano Novo!"

Sérgio

1 comentário:

Lover disse...

"Presta atenção a cada ponto de paragem e fica atento ao apito da partida. E quando decidires descer na estação onde a esperança te acenou, não hesites... Aventura-te e desembarca nela os seus sonhos..."

mas presta mesmo atenção...subscrevo também tudo o que a CristinaXX te desejou... beijo bom...nãaa...beijo muito bom!!! ;)