23 janeiro 2008

Bem-vindos à Era "Não-Fumador"!

Na sexta-feira passada, depois de um delicioso sushi num dos restaurantes mais bonitos do Porto (Terra), dei um salto a um bar fora de série: “Casa do Livro”.

Foi a minha primeira “saída” na era “não-fumadores” e foi surpreendente! Até já me apetece sair outra vez! Claro que para tal muito contribuíu a companhia de três pessoas muito especiais (já sabem que eu não digo quem são por questões de privacidade... alheia! Ehehehe!). E sabem que mais?! No outro dia de manhã estava fresco que nem uma alface, e nem o quarto, nem a roupa, cheiravam a fumo!

Photobucket

Não é a primeira vez que vou ao Terra e continuo a achar que é o melhor sítio da cidade para nos deliciarmos com um bom sushi. No entanto, nunca tinha jantado na sala de cima; em baixo junto ao balcão, temos a vantagem de ver os “fakirs” a prepararem iguarias; mas ficar ao balcão é bom quando somos só dois, tal como as mesas da sala de baixo. Desta vez éramos quatro, pelo que a sala de cima foi uma imposição muito agradável. O ambiente é sofisticado, bonito, elegante, e igualmente confortável e acolhedor. Se juntarmos a isto o prazer de agora podermos usufruir dos cheiros dos alimentos que nos vão apresentando, o prazer de saborear é ainda maior, pois não temos as narinas entupidas de nicotina oriunda das mesas em redor. Consequentemente, também não temos ninguém na nossa mesa a dizer “...vamos pagar e sair daqui... já tenho os olhos a picar...”, ou “...preciso de ir apanhar ar... está muito fumo e muito abafado aqui...”. Isto proporciona um convívio maior, mais descontraído, e principalmente, mais saudável à mesa. Curioso é ver que volta e meia as mesas ficam desertas... e passados uns minutos, os mesmos clientes regressam...

Photobucket

Note-se que não tenho nenhuma má vontade contra o tabaco (ao contrário de muita gente fanática). Até adoro fumar! Mas sou contra que se fume em sitios fechados. Gosto de ser eu a decicir quando quero fumar! Não gosto de ser obrigado a fumar... Já imaginaram se vos obrigassem a beber uma determinada bebida alcoolica, sempre que alguém na sala o quisesse fazer?! Não havia refeição que nos salvasse do coma alcoolico! Não usufruiríamos da refeição em si... Portanto, porque raio haveríamos de continuar a ser condescentes com o fumo?! Esta nova lei só peca por tardia! E quem está mal que se mude... para Marrocos por exemplo!

Há que ter em conta também, que o tabaco e o álcool são nocivos à saúde, pelo que na minha óptica só são admissiveis quando consumidos com moderação. Ou seja, como um prazer e não como um vício...

Já não deveria faltar muito para a uma da manhã quando saímos do Terra e nos dirigimos, por sugestão de um dos ilustres presentes, para a baixa portuense. O destino escolhido foi a “Casa do Livro”; e não poderia ter sido melhor a escolha! O bar é lindíssimo! Tem um ambiente excelente, casuísticamente seleccionado e a música é fabulosa! A “Casa do Livro” tem duas salas contíguas: na primeira está o bar proporiamente dito; na segunda estão dos DJs. Dança-se por todo o lado, pois a música assim o proporciona! E de que maneira!

Photobucket

A fantástica parelha de DJs de serviço apresentava blocos temáticos, de aproximadamente 15 minutos, passando por distintos estilos músicais, desde da pop dos anos 80, às orquestras de jazz dos anos 50, mas sempre com muito bom gosto, critério e requinte. Os meus sinceros parabéns, porque há muitos anos não via profissionais tão dignos, empenhados e originais (já sei que vão dizer que só digo isso porque já fui dj e que sou um exagerado e muito rigoroso e bláblábláblá...). A verdade é que todo o bar dançava, independentemente da idade de quem lá estava.

O som é aceitável, dentro da mediocridade que a maioria das casas nocturnas oferecem... o que é um contrasenso: saímos para ouvir música e dançar e o som é fraco... O volume não é exagerado e consegue-se conversar com alguma facilidade. O contrário é que não faz sentido: sair com os amigos para ficar calado, tipo múmia, ou com a garganta arruinada ao dia seguinte... Ok, também saímos para beber uns copos... e se as bebidas não forem boas ninguém lá vai. Porque é que o critério da qualidade de som e da música não é o mesmo?!... O Porto tem pouca oferta nocturna e os noctivagos portuenses deslocam-se, a maioria das vezes, em manadas movidas por “modas”... logo, independentes da qualidades das paragens por onde vão estacionando de copo na mão (e com o nariz vermelho!). Isto leva-nos aos locais ditos alternativos, se procuramos bom ambiente, “gente bonita” e boa música para ouvir e dançar, mas também boas condições para conviver e conversar, independentemente da quantidade de copos que tenham passado pelas nossas mãos... E é exactamente este o espaço onde a “Casa do Livro” encaixa e dá cartas!

Sérgio

P.S.: Fotografias de Pedro Aroso e Lifeccoler; consultem
http://www.casadolivro.pt/ under constrution!

3 comentários:

The special one disse...

Aniversários ás 6ªas feiras á noite conseguem nos proporcionar bons momentos...

Darth Vader disse...

...but it was not my birthday!

Anónimo disse...

e não estavas cansado ?? nem adormeceste ??
esta se a ver que isto tem tudo a ver com a companhia heheheh!! Um bem haja aos ilustres que te acompanharam !!!
(humor very british !! dada a semana )


bjs de mim para ti e mary jo