11 janeiro 2008

Ano Novo... Som novo?!

Este ano, durante o mês de Dezembro e a primeira semana de Janeiro, tive mais por casa que o habitual. Tive assim oportunidade para me brindar com muita música, criando ambientes tão peculiares quanto a combinação de um som de excelência e o nosso imaginário podem conseguir.

Photobucket

A maioria de vocês já dever ter ouvido falar deste senhor: Joe Henry... mas eu não! Até há uns dias atrás, nunca tinha ouvido falar dele... achava eu! Mas afinal já tinha... passo a explicar.

Photobucket

Graças mais uma vez ao Cali Jo, homem de muitas alcunhas... há 3 semanas atrás ouvi pela primeira vez o álbum “Fuse”, de 1999, e fiquei deliciado. Tenho pena é de não o ter ouvido há 8 anos atrás... vejam só a discografia dele... Surpresa!

- Talk of Heaven (1986);
- Murder of Crows (1989);
- Shuffletown (1990);
- Short Man's Room (1992);
- Kindness of the World (1993);
- Fireman's Wedding (1994, EP);
- Trampoline (1996);
- Fuse (1999);
- Scar (2001);
- Tiny Voices (2003);
- Civilians (2007).

Joe Henry escreve e compõe, canta, toca guitarra e ainda é o produtor dos seus temas.

Pelo que parece, até ao álbum Trampolin de 1996, Henry dedicava-se ao country. Neste álbum todavia, e com a participação do guitarrista Page Hamilton, introduz uma sonidade mais “metal”. Metal rock e Country não costumam ser muito compatíveis, mas até estou curioso para ouvir.

Já Fuse, de 1999, traz-nos uma trip hop, que nada tem a ver com country ou metal rock. E asseguro-vos que tem tanto de fantástico como de original.

Daqui para a frente começa a tournée pelo mundo do jazz... pessoalmente, ainda mais curioso estou para conhecer.

Até aos nossos dias, Joe Henry colaborou com muitos nomes igualmente originais: Teddy Thompson; Aimee Mann (de facto, na capa do “Forgotten Arm”, dizia produced by Joe Henry). Ou mesmo “pesos pesados” como Billy Preston (já falecido) e Elvis Costello.

Sem querer falar do que não conheço, acho que há aqui bons indícios para passar umas boas horas... vai ser uma chatice… tenho de ouvir os outros todos!

Photobucket

Por falar em country... Este ano, Michael Lanegan tem tido um tempo de antena especial. Não é country puro... mas a voz é fabulosa, o som característico e cria aquele efeito de conforto tão apropriado para os dias de chuva em casa. O mesmo tem acontecido com Bill Callaham; este descobrio-o há tanto tempo quanto o Joe Henry (e graças ao mesmo Cali Jo). É mais melódico, mas tem a mesma inspiração country. A voz é igualmente acolhedora, forte e envolvente... mais suave e menos rouca, a condizer com o som também mais consensual e pop. No mesmo tom, naturalmente surgem Micah P. Hanson (este com uma vertente rock mais afirmada, por vezes num som minimalista, mas com uma voz igualmente soberba) e Gordon Lightfoot (este é da velha guarda, dos fabulásticos anos 70, década do rock sinfónico, e empreende um som country-pop tão característico da época).

Photobucket

Nestes dias, a necessidade do aconchego sonoro leva-nos também para outras paragens... Mojave 3. Estes só pecam por uma voz (masculina) demasiado melosa... falta-lhe personalidade. O som é um tanto indiferente... mas permite-nos, por um lado, ignorar, por outro, aconchegar ao sofá. Fora de série é a voz feminina presente em algumas faixas e nas vozes de fundo. Um delírio aconchegante. Quem fala em Mojave 3, fácilmente complementa com Lilac Time e Dream Academy.

Photobucket

Outro álbum que se molda muito bem ao sofá e aos dias de chuva é “North” de Elvis Costello... é engraçado como os nomes se repetem ao longo do texto... só uma nota sobre esta obra-prima: é o 22.º álbum de originais do músico! Foi editado em 2003, e entretanto, Elvis Costello já editou mais dois... Esta é a diferença entre a genialidade e a efemeridade musical.

Photobucket

No meio disto tudo, se houve disco que ouvi inúmeras vezes durante o mês de Dezembro e primeiros dias de Janeiro, foi “Blue Train” do John Coltrane. É um disco viciante; quando se começa a ouvir, só dá vontade de ir virando, e virando, e virando. É claro que o encanto do vinil faz sobressair a sonoridade de referência.

Houve ainda outros vinis a rodarem repetidamente: “Live in Australia” de Elton John (os arranjos orquestrais são do outro mundo... a Orquestra Sinfónica de Melbourne deslumbra, especialmente na brusquidão das tubas e dos violoncelos, e na leveza dos solos de harpa; o homem é que teve azar: é que logo no concerto da vida dele, havia de estar rouco!); “The Final Cut” e “The Dark Side of the Moon” dos Pink Floyd (se o primeiro é o estado da arte, o segundo é a obra-prima da banda); e ainda, “Nights in White Satin” dos Moody Blues (este conta com a London Simphony Orchestra, e hão-de ouvir com atenção o fecho do disco... depois do tema que dá nome ao álbum terminar, iniciam-se alguns minutos de orquestra com um narrador que cita algo de deslumbrante e eloquente... ouçam!).

Photobucket

Ainda por arrasto: o álbum “Forgotten Arm” de Aimee Mann. É melódico e suave, principalmente na voz, mas tem umas guitarras vincadas, que lhe dão um charme rock, sempre agradável, mesmo quando estamos enrrolados no sofá com um livro na mão; uma lareira caía mesmo bem... um copo de vinho tinto também... do douro e de 72 seria ouro sobre azul!

Sérgio

2 comentários:

Camarada Choco disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Lover disse...

cada visita aqui...cada private investigation...is a mistery&surprise;)
este post está cheio de boas sugestões, para quem, como eu...adora o sofá e estar em casa na minha companhia ;)
obrigada pelas tuas visitas e palavras, é realmente bom imaginar que "somewhere out there" há alguém que, não na ilusão, partilha momentos com sons e sugestões singulares...

um beijinho grande e bom fim-de-semana ;)

(o teu e-mail não consta na minha lista de contactos, mas tomo a liberdade de te deixar o meu - omeuespacoeteu@gmail.com )