11 julho 2007

Rolling Stones - 25JUN07.

Bem! Estava difícil de arranjar um tempito para vir aqui escrever alguma coisita… mas hoje não quero falar da loucura do dia-a-dia e da surpresa que aí vem. Hoje, quero só e só escrever sobre o concerto dos Rolling Stones do passado dia 25 de Junho em Alvalade.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Curiosamente, em 10 anos é a 4.ª vez que os vejo; e muito lamento não os ter visto pela primeira vez, em 1990, no antigo estádio do Sporting. Na altura estava a uns escassos meses de tirar a carta… e assim sendo, não consegui autorização dos meus pais para ir ver o concerto.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Quanto mais os vejo, mais gosto! Este concerto foi igual ao de Agosto passado no Dragão, com excepção do alinhamento; e se este foi bem mais interessante, o mesmo não se pode dizer da coordenação com que o espectáculo correu… um ano de tournée faz mossa no cansaço físico… especialmente quando se é sexagenário… ou por outras palavras, quando se tem 45 anos de carreira (só por si fantástico e um record!).

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

No ano passado em Agosto achei os Rolling Stones mais jovens que nunca. Na verdade, tinha notado um grande envelhecimento entre os concertos de 1997 em Alvalade e de 2003 em Coimbra. Desta vez, achei-os mais cansados do que um ano antes, mas mesmo assim, fora de série! A energia de Mick Jaegger é contagiante… é mesmo um enigma a agilidade que transpira, a adrenalina que evoca nos movimentos… tomaram muitos dos meus amigos com menos 30 anos demonstrarem aquela desenvoltura física. Keith Richard continua igual a si mesmo… tem um ar decrépito como sempre teve, mas aquela guitarra soa como muito poucas no mundo soam! E desta vez nem a voz desafinou… Ron Wood continua teatral como sempre nas suas vénias e poses; acima de tudo, fiel à sua imagem. Charlie Watts, mantém-se imaculado nos seus cabelos grisalhos; apenas demonstra ter mais frio que antigamente: apesar dos dois últimos concertos terem ocorrido no Verão, este baterista insiste em vestir o casaquito sempre que se levanta do seu posto… típico dos sexagenários!

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Neste espectáculo subiu ao palco (surpresa) Ana Moura para cantar um tema com Mick Jaegger. Resultado: desilusão! A cantora portuguesa nunca esteve enquadrada com o tema… também não teve sorte com a afinação do microfone. Desculpem não me lembrar de qual foi o tema… mas o concerto já foi há algumas semanas… e a minha memória também já não é o que era… 34 anos…

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Muito melhor foi a interpretação de um tema de James Brown, num fantástico duo com a voz feminina que acompanha habitualmente a banda… e lá vão mais duas gaffes de memória!

Os Rolling Stones estão mais velhos: inevitável! Mais carismáticos: sem dúvida! Mas as versões actuais dos temas de outrora soam melhor: mais elaborados, têm mais qualidade e isto sem em nada desvirtuar o seu som tão característico. Há mais instrumentos em palco; há mais vozes… e que vozes! Notam-se as influências mais proeminentes dos blues, do country e até da soul (para não dizer que por lá também ouvi algo muito ténue de gospel…). Principalmente mais simpáticos e preocupados com a qualidade do espectáculo e a participação constante do público (até falam em Português!). Quem os viu há 40 anos e quem os vê hoje… a arrogância e o vedetismo perderam para a humildade q.b..

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Continuo a afirmar que ver aqueles 4 em palco (e desta vez o palco estava pertinho como nunca) é um privilégio. Vi 4 vezes e gostava de ver mais; se cá voltarem, voltarei a ver! Aqueles homens mudaram o mundo não sei quantas vezes! Que pessoas são mais conhecidas em todo o planeta que os Rolling Stones?! Muito poucas… muito mesmo!

Assistir a um espectáculo destes é um misto de emoção, adrenalina e admiração. O tempo passa muito depressa e o final do espectáculo é sempre um grande vazio. Os sentimentos abanam-nos mais do que o ritmo.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Mas se acham que estou a exagerar, vejam um espectáculo gravado e tentem perceber o que acontece naqueles estádios quando se ouve “I can’t get no satisfation”… Agora multipliquem por vários triliões (tantos quantos conseguirem imaginar) e têm uma ténue ideia do que se sente naqueles relvados… único, inexplicável, magnífico!

Sérgio

2 comentários:

CarpeDiemBeHappy disse...

Olá,

Não perdes nenhuma oportunidade!!

Beijinho

Pedro_Fotos disse...

Esses até quando andarem de muletas vão dar concertos ehehe
Grande Sérgio sempre em altas...tens de vir fazer umas ondas outra vez :)
abraço e obrigado pelos parabéns!!!